Lindo"

terça-feira, 14 de agosto de 2012

Aula: “ O Homem de Bem - Resignação”


Aula: “Sede Perfeitos - O Homem de Bem”
Turma: Jardim – Sala Joanna de Angelis
Bibliografia: Evangelho Segundo o Espiritismo, cap.17, item 3, § 4º
     “Sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções, são provas ou expiações, e as aceita sem murmurar.
 I – Acolhida e Harmonização. Duração – no máximo cinco minutos.
1 – Exercício: Colocar um cd com música bem suave. Quando as crianças entrarem na sala, pedir para se postarem em círculo e fazerem o seguinte exercício: com todos em silêncio, murmurar o nome de duas crianças que, sem ruído, trocam de lugar enquanto os outros permanecem imóveis. Continuar até todos trocarem de lugar.
2 – Relaxamento:
Sugerir que cada um procure sentar-se confortavelmente. Buscar o maior relaxamento. Começar pela atenção a determinadas partes do corpo: testa, olhos (de preferência cerrados), face, ombros, etc. descendo até os dedos dos pés.
Com crianças pequenas, o relaxamento, o silêncio e a concentração devem ser estimulados por meio de situações como: “fazer o silêncio para ouvir o barulhinho das águas ou o canto dos pássaros” (gravado em fita), “relaxar como um bonequinho mole, mas sentando-se com boa postura, bem quieto, com os olhos fechados e sentindo-se bem”.

3 –
Respiração:
Obtido o relaxamento muscular, cada um passa a concentrar sua atenção na respiração, inspirando naturalmente, com a boca cerrada, retendo o ar um pouco e expirando, abrindo suavemente os lábios.
Este método de respiração, utilizado diariamente possibilita uma renovação orgânica e, em conseqüência, maior vitalidade.
4 – Visualização:
O Evangelizador deverá levar uma rosa para a sala, e após a realização dos exercícios acima mostrá-la para as crianças, bem devagar, pedindo que cada uma delas sinta seu toque, seu cheiro, preste atenção a sua forma, cor e textura. Depois pedir que os Evangelizandos fechem os olhos e conduzir a visualização:
“Imagine uma rosa. Veja-a a sua frente. Como ela é bela. Sinta seu perfume – como ela é cheirosa! Agora imaginem estar segurando delicadamente a rosa, ela é macia e agradável ao toque. Você se sente muito bem tendo a beleza, a delicadeza e o perfume da rosa em suas mãos.
Agora imagine uma luz azul muito clara e bonita vinda do alto e te envolvendo todo. A luz sara tudo, te protege e te faz sentir-se muito bem. Essa luz vem de Deus. Você está feliz, pleno e em paz. Agora, abra bem devagar os olhos, voltando para a sala.
  II. Prece.
 III. Atividades
1)      Pegar o “Baú do Tesouro” e colocá-lo no centro da mesa. Dizer: “Aqui está nosso baú do tesouro”, será que hoje vamos poder juntar mais bens espirituais aqui em nossa sala? Inquirir um a um sobre as virtudes cultivadas e boas ações praticadas durante a semana, preencher os coraçõezinhos com o nome de cada Evangelizando e o bem espiritual cultivado naquela semana, entregar para o mesmo colocá-lo no baú. Incentivá-los a continuar cultivando boas atitudes, bons pensamentos e boas palavras, a fim de promoverem a reforma íntima e “encherem” o Baú do Tesouro.Entrar no tema da aula:
Vocês sabem que nem sempre tudo acontece como gostaríamos. Mas hoje vamos aprender que tudo o que nos acontece é para o nosso bem. No Evangelho Segundo o Espiritismo aprendemos que se ocorrem conosco fatos que não entendemos ou nos entristecem devemos aceitar sem murmurar, sabendo que são como tijolinhos que farão de nós um ser humano melhor. Vocês já viram um diamante? Antes de ele ser lapidado é uma pedra bruta. Mas o lapidador vai tirando todas as imperfeições até que ele se transforme numa linda pedra. Assim também sofremos provas e expiações para aprendemos a ser melhores, a brilhar com a luz de nosso Mestre Jesus. Hoje vamos conhecer uma linda estória que representa uma menininha que sabia olhar com os  olhos do coração, e ver no fundo de cada acontecimento uma razão para ser feliz!
2)      Passar o filme Pollyana, da Disney.

3)      Jogo do Contente:
O Evangelizador deverá preparar:
- Um cartaz com exibindo Pollyanna com uma “carinha” triste desenhada;

- Peças que transformarão aquela “carinha triste” em “carinha feliz”: olhos, sombrancelhas, boca, flores, coração, etc.

- Várias fichas com situações que seus Evangelizandos considerariam “terríveis”. As situações  deverão ser e scritas para os Evangelizandos maiores e desenhadas para os pequenininhos.

Desenvolvimento do Jogo:
Explicar para a turma que todos deverão jogar o “Jogo do Contente”. Cada Evangelizando deverá sortear uma ficha. Sortear quem começará. O Evangelizando sorteado deverá se postar à frente da Turma e dizer:
“Estou muito triste porque... (e ler a ficha).
Cada colega deverá aplicar naquela situação o “Jogo do Contente”, ou seja, apresentar um motivo para aquela tristeza ser transformada em alegria. Todos deverão participar.  
Quando o Evangelizando se sentir convencido de que pode tirar lições de  amor daquela situação, deverá se dirigir ao mural, pegar uma peça que transformará a “carinha” de Pollyanna em uma “carinha feliz”.
O jogo terminará quando todos tiverem lido suas fichinhas e a “carinha” da Pollyanna estiver feliz.
4)      Cantar a música “Lembre” do Grupo Semente de Música Espírita:
Letra:
  D                      G           A
Quando uma tristeza tomar seu coração
D                  G            A
Não se desanime e cante uma canção
D         G     A          D            G       A         D
E lembre que lá em cima você tem alguém que lhe quer muito bem
     G     A
Muito bem, muito bem.
D                     G         A
Quando uma dorzinha danada de doer
D               G            A
Bem lá no fundo lhe fizer sofrer
D         G     A          D            G       A         D
E lembre que lá em cima você tem alguém que lhe quer muito bem
     G     A
Muito bem, muito bem.
D                   G          A
Ponha um sorriso bonito no seu rosto
D                     G            A
Deixe que as lágrimas lavem seu desgosto
D         G     A          D            G       A         D
E lembre que lá em cima você tem alguém que lhe quer muito bem
     G     A
Muito bem, muito bem.
D         G       A       D
Você tem alguém que lhe quer muito bem
     G     A
Muito bem, muito bem.

Você pode ouvir a música aqui:

5)      Pedir para cada Evangelizando completar o cartaz abaixo, que deve ser impresso em folha A4:
  
Subsídios para o Evangelizador:
O Homem de Bem ESSE Cap. 17, item 3 §4º
”... Sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções, são provas ou expiações, e aceita-as sem murmurar.
Foi no ano de 1912 que a escritora americana Eleanor Hodman Porter lançou a novela intituladaPolyanna.  A repercussão, na época,  no mundo inteiro, foi de uma impressionante onda de esperança, entusiasmo e otimismo.
A novela relata a história de uma menina, órfã de mãe, cujo pai encomenda, para o Natal, uma boneca que ela estava pedindo há muito tempo.
Quando chegou a encomenda, contudo, para grande decepção da menina, o embrulho continha um par de muletas.
Quando ela começa a chorar, o pai a consola dizendo que ela deve ficar contente.
Contente por quê? Desabafa ela. Eu pedi uma boneca e ganhei um par de muletas.
Pois fique contente por não precisar delas.
A partir daí, o pai, muito sábio, estabelece o que ele chamaria o jogo do contente.
Assim, quando ele morre e Polyanna é entregue aos cuidados de uma tia amarga, carrancuda, exigente, em vez de sofrer com as maldades que ela lhe apronta, Polyanna encontra em tudo um motivo para ser feliz.
O quarto é muito pequeno? Ótimo, assim ela o limpará bem mais depressa.
Não existem quadros na parede, como havia em sua casa? Que bom, assim ela poderá abrir a janela e olhar os quadros da natureza, ao vivo.
Não tem um espelho? Excelente, assim nem verá as sardas do seu rosto.
Mais tarde, ela acabará conquistando para o jogo do contente a empregada e a própria tia, austera e má.
A história, que foi continuada em uma outra obra, chamada Polyanna moça, nos remete aos conceitos exarados em O evangelho segundo o Espiritismo, a respeito do homem de bem, que sabe que todas as vicissitudes da vida, todas as dores, todas as decepções são provas ou expiações e as aceita sem murmurar.
Portanto, nos momentos de graves dificuldades, busquemos os motivos para nos alegrarmos.
Nosso passeio de final de semana não deu certo, por causa da chuva que caiu torrencial? Alegremo-nos por estarmos em nossa casa, abrigados, e aproveitemos esses dias para uma convivência maior com a família.
A viagem de férias, tão planejada, foi por água abaixo porque o salário não chegou e a gratificação foi menor do que o esperado?
Fiquemos contentes e vamos curtir o cantinho doméstico. Aproveitemos o tempo para conviver com os amigos, sair com os filhos. Conhecer os recantos públicos da cidade, conviver com a natureza.
*   *   *
Viver com alegria é uma arte. Por isso mesmo, preservemos a jovialidade em nossa conduta. Porque um cenho carregado sempre reflete aflição, desgosto e contrariedade. E não faz bem a ninguém.
Destilemos alegria e bom ânimo, irradiando o bem-estar que provém de nosso coração.
O tesouro de um comportamento jovial tem o preço da felicidade que oferece a todas as pessoas.
Alegremo-nos e nos sintamos felizes por viver na Terra, especialmente nesta nova era de um novo milênio de tantas esperanças. Colaboremos eficazmente pela concretização do bem nos corações e a paz no mundo, começando pela construção em nós mesmos.
Redação do Momento Espírita, com base no artigo O jogo do contente,
da revista 
Presença espírita, nº 222; no cap. XXXIV do livro Vida feliz, pelo
Espírito Joanna de Ângelis, psicografia de Divaldo Pereira Franco, ed. Leal e
no item 3, do cap. XVII, do livro 
O evangelho segundo o Espiritismo, de Allan
Kardec, ed. Feb.

Em 12.07.2012.
Paz e Luz!
Laura.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...